Nome completo: Max Hering de Queiroz

Departamento: DAS – Departamento de Automação e Sistemas

Biografia: Max nasceu e sempre morou em Florianópolis. Seus pais eram professores da UFSC e, em 1986, ingressou na quinta série do Colégio de Aplicação. Desde então já almoçava no RU, ele brinca.

No final de 1992, quando se formou no CA e precisou escolher uma carreira, ficou em dúvida entre Medicina, Biologia e Engenharia por sempre ter gostado muito de matemática e de biologia, eliminando os cursos para os quais julgava não ter muita aptidão, como História e Direito. Acabou optando pela Engenharia de Controle e Automação, um curso que ainda não possuía nenhum engenheiro formado no Brasil, principalmente porque se interessava por informática e detestava química.

Ingressou, então, na quarta turma de Controle e Automação, no semestre 1993.1, se destacando como quarto colocado geral da UFSC. Logo após, também deu início aos estudos no PAM (Programa Avançado de Matemática). Apesar de ter sido selecionado para o curso de Administração na UDESC, optou por se dedicar à Engenharia e fazer um MBA depois de formado.

Na graduação fez iniciação científica sempre ligada ao PAM e se interessou pela matéria de Modelagem e Controle de Sistemas Automatizados ministrada pelo professor Cury. No projeto final de curso (PFC) procurou estagiar na Siemens da Alemanha, mas acabou indo para a filial da França, tendo então que aprender francês rapidamente e embarcar para Toulouse, passando seis meses em um ambiente industrial.

Após formado, devido ao seu trabalho final, teve dúvida entre a carreira acadêmica e a industrial. Acabou por seguir um mestrado com o professor Cury, desenvolvendo uma pesquisa que até hoje é muito referenciada na área de sistemas a eventos discretos. Em seguida, iniciou o doutorado na mesma área, ficando um ano na Universidade de Toronto, no Canadá, nesse período.

Deu início à sua carreira profissional como professor no IFSC, no Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial em Florianópolis, ficando por 2 anos até retornar por concurso público ao Departamento de Automação e Sistemas da UFSC, com a perspectiva de fortalecer suas atividades de pesquisa.

Desde 2006 está no departamento, um lugar que julga muito agradável, com um seleto grupo de professores que se destacam tanto pelas pesquisas de ponta na área de Controle e Automação quanto pelo comprometimento com a qualidade dos cursos de graduação e pós-graduação. Assumiu como coordenador do curso de graduação logo após sua chegada e atualmente se prepara para fazer pós-doutorado na França.

Carreira:

Área(s) de atuação:  Informática, Modelagem, Automação industrial

Maior desafio da carreira: Apresentar sua pesquisa de mestrado em inglês em 20 minutos no seu primeiro congresso no exterior, o WODES (Workshop on Discrete Event Systems) de 2000.

Maior conquista: Conseguir ajudar alunos que estavam se desmotivando com a faculdade ou estavam passando por problemas pessoais; e vê-los se formando na faculdade com boas perspectivas de sucesso na carreira de engenheiro.

Matérias que ministra/ministrou: Introdução a informática, Fundamentos da estrutura da informação, Sistemas de automação discreta, Modelagem e Controle de Sistemas a Eventos Discretos, Tópicos especiais em informática industrial, Sistemas e eventos discretos 1 e 2.

Laboratórios que trabalha/trabalhou: É supervisor do LAI (Laboratório de Automação e Informática Industrial) desde que entrou no DAS; e já foi supervisor do LMM (Laboratório de Montagens Mecatrônicas).

Projetos em andamento: Com a Petrobrás, de validação de sistemas instrumentados de segurança das plataformas de petróleo – Utiliza técnicas de sistemas a eventos discretos para garantir que CLPs de segurança atuem corretamente em situações de risco nas plataformas do pré-sal.

Ser professor do DAS é: Trabalhar em equipe.

Pessoal:

Hobbies: Horticultura e passar tempo com seus filhos.

Esporte: Stand-up Paddle.

Estilos musicais: Rock Clássico (Led Zeppelin, Bob Dylan, Jimi Hendrix, Rolling Stones), MPB e basicamente qualquer tipo de música exceto funk carioca, sertanejo universitário e axé. Também toca violão.

Filme: Blade Runner.

Um lugar: Florianópolis (Santo Antônio de Lisboa e as dunas da Joaquina, principalmente)

Um ídolo: Guga Kuerten, pois conseguiu ser alguém de destaque no mundo sem perder sua simplicidade. Não o encara com idolatria, mas sim com admiração.

Prato favorito do RU: Estrogonofe de carne, e sagu de vinho.

Conselho para os futuros engenheiros: Primeiramente, empenhar-se no que gosta, pois tomar decisões sobre a carreira apenas por dinheiro ou status acaba levando à infelicidade, e a não ter dinheiro nem status. Não fazer o curso por notas, mas sim buscando fazer o que é importante para a sua formação, o que gosta e o que possa ajudar outras pessoas. Além disso, perceber o lado humano da Engenharia: ter empatia (é fundamental entender as pessoas para lhes oferecer boas soluções) e também saber trabalhar em equipe.

O PETEEL agradece o Professor pela entrevista, fique ligado no site para saber mais!